Cirurgia bariátrica prévia diminui os riscos de gestantes obesas, aponta revisão

0
239

A cirurgia para tratar a obesidade, chamada de cirurgia bariátrica, costuma ser indicada para pacientes com índice de massa corporal ou IMC (calculado dividido o peso pela altura ao quadrado), acima de 40 kg/m² ou em pacientes com valores acima de 30 kg/m², mas com doenças associadas à obesidade, como o diabete melito, hipertensão arterial ou anormalidades do colesterol.

Essa modalidade de tratamento para obesidade vêm crescendo e ganhando uma grande popularidade entre os médicos e pacientes.  Em mulheres  submetidas à cirurgia bariátrica uma futura gestação parece ter menos riscos para mãe e a criança.

Uma revisão recente avaliou o resultado de vários estudos que incluíram a cirurgia bariátrica em mulheres que posteriormente engravidaram. Em três estudos combinados as taxas de complicações maternas em uma gestação foram menores em mulheres submetidas à cirurgia bariátrica em comparação com mulheres obesas que não realizaram o procedimento. Essas taxas de complicações foram  semelhantes nas mulheres submetidas à cirurgia bariátrica quando comparadas às mulheres de um grupo controle, composto de gestantes não obesas.

Esta revisão  comparou as taxas de complicação materna em mulheres após cirurgia com banda gástrica ajustável,  e em mulheres obesas que não foram submetidas à cirurgia bariátrica. O grupo da cirurgia bariátrica teve taxas menores de diabetes gestacional  e de pré-eclampsia. Outros 13 estudos sobre cirurgia bariátrica apresentaram achados semelhantes.

O grupo da cirurgia bariátrica também teve sucesso igual ou maior, nas complicações que podem afetar o recém nascido, em comparação ao grupo de mulheres obesas que não foram submetidas à cirurgia. As taxas de complicações, como parto prematuro, baixo peso ao nascer e macrossomia (crianças grandes), foram menores no grupo das gestantes que foram operadas.

Comparando as pacientes do grupo controle de gestantes não obesas e as pacientes operadas, não houve diferença em relação as complicações do tipo parto prematuro, baixo peso ao nascer e macrossomia. Outros dez estudos confirmaram esses achados, entretanto, estudos sobre nutrição, fertilidade, parto cesariano e contracepção foram limitados.

“As taxas de vários desfechos maternos e neonatais adversos  podem ser menores em mulheres que engravidaram após a cirurgia bariátrica em comparação com as taxas de mulheres grávidas que são obesas, no entanto, são necessários mais dados de estudos ”, escreveram os autores da revisão.

Fonte : JAMA.

Autor: Dr. Tufi Dippe Jr – Cardiologista de Curitiba – CRM/PR 13700.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here