Gravidez em adolescentes: prevenção e orientação levam à redução de 30,6% em 10 anos, alerta MS

0
269

Segundo o Ministério da Saúde (MS), um maior acesso dos adolescentes à informação sobre saúde reprodutiva fez com que a rede pública de saúde tivesse uma redução de 30,6% no número de partos realizados em meninas de 10 a 19 anos nos últimos dez anos. Foram feitos 485,64 mil partos em 2008, enquanto em 1998 o sistema registrou 699,72 mil. No Sul, Sudeste e Centro-Oeste, a redução ultrapassou 35%.

O Ministério da Saúde credita a redução ao acesso às políticas de prevenção e orientação sobre saúde sexual e reprodutiva. Os postos de saúde, por exemplo, disponibilizam métodos contraceptivos gratuitamente. O governo aumentou também o número de equipes de Saúde da Família – de 7,6 mil para 29,7 mil -, o que se reflete no acesso a informações sobre planejamento familiar às comunidades. Esses profissionais atendem a 49% da população, levando informações sobre prevenção de gravidez, saúde sexual e reprodutiva aos adolescentes e jovens das cidades atendidas.

Para melhorar o acesso às informações sobre saúde, o Ministério da Saúde realiza, a partir do dia 22 de setembro – Dia Nacional da Juventude –, uma série de ações para incentivar o adolescente a procurar os serviços de saúde. Entre as ações, haverá o seminário Mais Saúde na Juventude: Vamos Falar Disso?, que reúne jovens, especialistas e gestores, em Brasília, para discutir políticas de saúde para a juventude. O encontro do Ministério da Saúde, em parceria com a Secretaria Nacional de Juventude da Presidência da República, focará saúde sexual e reprodutiva, violência e acidentes, álcool e outras drogas, meio ambiente, esporte e lazer.

Outra medida para difundir informações são as Cadernetas de Saúde do Adolescente, com conteúdo sobre saúde sexual e reprodutiva, alimentação, puberdade e drogas, distribuídas a 433 municípios brasileiros. Elas são impressas em duas versões – feminina e masculina –, utilizadas no acompanhamento da saúde de jovens entre 10 e 16 anos.

Fonte: Ministério da Saúde.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here