Metade dos diabéticos do tipo 2 desconhecem a doença; saiba com é feito o diagnóstico

0
91

Estima-se que metade dos pacientes portadores de diabete melito do tipo 2 desconhecem a sua doença. Neste tipo de  diabete melito,  o pâncreas continua a produzir insulina (muitas vezes em níveis mais elevados do que o normal), no entanto, o organismo desenvolve uma resistência aos  efeitos deste hormônio (resistência à insulina).

A insulina permite a entrdada da glicose para dentro das células. O diabete melito tipo II pode ocorrer em crianças e adolescentes mas, normalmente, ele inicia após os 30 anos e torna-se progressivamente mais comum com o avançar da idade: aproximadamente 15% dos indivíduos com mais de 70 anos de idade apresentam o diabete melito tipo  2.

A obesidade, principalmente a de localização central (acima da cintura) é um fator de risco para  o aparecimento do  diabete melito tipo 2 (80% dos indivíduos que o apresentam são obesos).A obesidade central e o diabete melito tipo I2 são constituintes da síndrome metabólica.

Outros fatores de risco para o diabete melito tipo 2 são: idade maior que 40 anos , hipertensão arterial (80% dos portadores de diabete melito  tipo II são hipertensos),dislipidemias (anormalidades do colesterol total e frações), história familiar de diabete melito tipo 2, antecedentes de diabete melito na gestação e de fetos macrossômicos (recém nascidos com peso elevado). 

O diagnóstico do diabete melito  poderá ser feito através das seguintes formas :

– 0btendo-se pelo menos dois valores de glicemia de jejum (no mínimo oito horas sem ingestão de alimentos ou líquidos com açúcar) iguais ou maiores que 126 mg/dl .

– Uma dosagem de glicemia superior ao valor de 200mg/dl, após uma sobrecarga de glicose (ingestão de um xarope com açúcar). Este exame está indicado para pacientes com glicemia de jejum entre 100 e 125mg/dl.

– Uma dosagem isolada de glicemia sem jejum maior que 200mg/dl, e associada aos sintomas do diabete melito, como excesso de diurese (poliúria) ou sede (polidpsia) e emagrecimento.  

www.portaldocoracao.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here