O que é o exame de eletrocardiograma?

0
6386

O eletrocardiograma (ECG) é o registro da atividade elétrica do coração em estado de repouso. O exame é realizado com um aparelho chamado eletrocardiógrafo, o qual registra a atividade elétrica do coração por meio de 12 derivações convencionais: DI, DII, DIII, AVR, AVL, AVF, V1, V2, V3, V4, V5 e V6. Essas derivações “observam” uma determinada parede do coração (DII, DIII e AVF exploram a parede inferior do coração, por exemplo).

O eletrocardiograma normal deverá conter três elementos obrigatórios: onda P, complexo QRS e onda T.

A onda P representa a despolarização atrial (descarga elétrica que permite a contração dos átrios, que são as câmaras menores e superiores do coração).

O complexo QRS representa a despolarização ventricular (descarga elétrica que permite a contração dos ventrículos, que são as câmaras maiores e inferiores do coração). A repolarização atrial (momento em que os átrios preparam-se eletricamente para uma nova contração) também ocorre nessa fase, mas como a massa dos ventrículos é maior, não é possível avaliar a onda Ta na maioria das vezes.

A onda T representa a repolarização ventricular (momento em que os ventrículos preparam-se eletricamente para uma nova contração).

Pode haver ainda a presença da onda U, principalmente em V3 e V4. Sua origem é controversa.

Intervalos (intervalo PR, PP e QT, por exemplo) e segmentos (ST, por exemplo), podem ser calculados avaliando o espaço entre as ondas mencionadas acima, podendo indicar doenças específicas.

O eletrocardiograma permite analisar o ritmo e frequência cardíaca; anormalidades do sistema de condução elétrica do coração; sobrecargas (aumentos) das câmaras cardíacas (átrios e ventrículos); a presença isquemia (alterações indicativas de uma irrigação sanguínea insuficiente do músculo do coração); áreas eletricamente inativas (áreas que geralmente indicam um infarto do miocárdio prévio); distúrbios dos eletrólitos (potássio e cálcio, por exemplo) entre outros achados. Doenças não cardíacas podem alterar o eletrocardiograma.

Indicações

O eletrocardiograma é obrigatório numa primeira consulta cardiológica. Qualquer doença cardiológica, bem como outras patologias não cardiológicas, poderão manifestar-se através de alterações eletrocardiográficas.

Contraindicações

Não existem, a não ser que o indivíduo não seja capaz de permanecer em repouso para a obtenção do traçado eletrocardiográfico. Doenças que cursam com tremores, como a doença de Parkinson, podem afetar a qualidade do registro eletrocardiográfico por causarem interferências.

Preparo

Alguns pacientes necessitarão realizar uma tricotomia (raspagem dos pelos da região anterior do tórax).

Como é feito?

Deitamos o paciente em decúbito dorsal (“barriga para cima”). Em seguida, realizamos a limpeza da pele dos punhos e tornozelos bilateralmente, além de seis pontos localizados na parte anterior do tórax, os quais correspondem às derivações V1 até V6.

O próximo passo é passar o gel condutor e instalar os eletrodos nesses locais (dois nos tornozelos, dois nos punhos e seis na região anterior do tórax). Procede-se ao registro do eletrocardiograma, com o paciente relaxado e imóvel por poucos segundos.

Complicações

Raramente observamos reações alérgicas nos locais de colocação dos eletrodos para o registro do eletrocardiograma.

Limitações

O eletrocardiograma poderá ser normal em pessoas com reconhecida doença cardíaca. Pacientes que estão sofrendo um infarto do miocárdio (ataque cardíaco), o eletrocardiograma inicial poderá ser normal, por isso, na vigência desse quadro, eletrocardiogramas seriados são realizados rotineiramente. Esse é apenas um exemplo das limitações do exame.

Por outro lado, alterações do ritmo cardíaco (arritmias cardíacas) que ocorrem no momento que o traçado eletrocardiográfico está sendo registrado, invariavelmente são detectadas pelo exame. O cardiologista deve conhecer as possíveis limitações do método para não incorrer em erros diagnósticos.

A interpretação do laudo eletrocardiográfico depende da correlação com o quadro clínico do paciente.

Autor: Dr. Tufi Dippe Jr – Cardiologista de Curitiba – CRM/PR 13700.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here