Particularidades da doença arterial coronariana em mulheres

0
400

A doença arterial coronariana caracteriza-se pela formação de placas de gordura, chamadas de ateromas, na parede das artérias do coração, sendo a principal causa da angina do peito e infarto do miocárdio.

A ocorrência da doença arterial coronariana nas mulheres vem crescendo nas últimas décadas, sendo mais frequente após a menopausa, pois a atuação do estrogênio (hormônio feminino) retarda o aparecimento da doença.

Existem evidências que as manifestações clínicas da aterosclerose possam ser diferentes entre mulheres e homens. Estatísticas norte-americanas demonstraram que 26% das mulheres morrem em um ano após um infarto do miocárdio, valor bem menor que os 19% observado entre os homens.

A idade mais avançada por ocasião do diagnóstico, maior número de fatores de risco cardiovascular, manifestações atípicas da doença, ação do estrogênio, e menor emprego dos tratamentos atualmente disponíveis, são hipóteses para explicar essa diferença de mortalidade entre os sexos.

Sinais e sintomas

A doença arterial coronariana nas mulheres pode manifestar-se como dor torácica ou apenas com “equivalentes anginosos”, como dispneia, falta de ar, náuseas, vômitos e dor no estômago.

A dor torácica pode ser atípica, ou seja, sem as características próprias da angina de peito (dor de localização retroesternal, desencadeada pelo esforço e que alivia com o repouso). Desmaio e morte súbita podem também ocorrer.

A doença arterial coronariana aguda costuma manifestar-se mais sob a forma de infarto do miocárdio nos homens, e nas mulheres a apresentação mais comum é a angina do peito.

Mulheres são mais frequentemente acometidas pela “síndrome do coração partido”(doença de Takotsubo) do que os homens.

A  síndrome X também chamada de angina microvascular,  é uma doença caracterizada pela presença de sintomas típicos de angina do peito, testes de isquemia positivos (teste de esforço ou cintilografia de perfusão miocárdica alterados, por exemplo) e artérias coronárias normais ao exame de cateterismo cardíaco e cineangiocoronariografia ou angiotomografia coronariana. A doença costuma afetar mais as mulheres.

Diagnóstico

-Teste de esforço:

O teste ergométrico apresenta um percentual maior de casos falso-positivos, ou seja, o exame sugere a presença de isquemia coronariana (irrigação sanguínea inadequada do músculo do coração causada por uma artéria estreitada por uma placa de ateroma), a qual não é confirmada por exames de maior acurácia, como a cintilografia de perfusão miocárdica.

-Cintilografia de perfusão miocárdica:

As mamas pode causar exames falso-positivo na parede anterior do coração por atenuação mamária.

-Angiotomografia coronariana:

As artérias coronárias são menores e mais finas, dificultando a interpretação.

-Outros:

A disfunção coronariana microvascular da síndrome X pode ser avaliada através de exames como a ressonância cardíaca e o PET-CT.

Autor: Dr. Tufi Dippe Jr – Cardiologista de Curitiba – CRM/PR 13700.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here