Pergunte ao cardiologista: respostas de caráter educativo e explicativo

2
145

O programa “Pergunte ao Cardiologista” apresenta caráter meramente educativo e explicativo, portanto, não é um serviço de prestação de consultas médicas pela internet. De acordo com o código de ética médica, o médico não deve prescrever tratamento sem a realização do exame físico.

“Art. 37 do código de ética médica: é proibido prescrever tratamento ou outros procedimentos sem exame direto do paciente, salvo em casos de urgência ou emergência e impossibilidade comprovada de realizá-lo, devendo, nessas circunstâncias, fazê-lo imediatamente após cessar o impedimento”.

Logo, sites de consultas online que fazem diagnóstico e prescrevem tratamento sem a obrigatoriedade do exame físico não seguem o código de ética estabelecido atualmente.

Regras do programa “Pergunte ao Cardiologista”:

1- Escreva sua pergunta, dúvida ou comentário no espaço abaixo (“deixe uma resposta”). Você deve se identificar no campo “nome” apenas com suas iniciais. Também é obrigatório que você coloque no final da pergunta a sua idade, sexo, cidade e estado onde reside.

2- Serão comentadas apenas duas perguntas por dia, consideradas as mais relevantes.

Dr. Tufi Dippe Jr – Cardiologista – CRM/PR 13700.

2 COMENTÁRIOS

  1. Prezado Dr Tufi
    Tenho depressão há muitos anos e agora em agosto eu tive um socorro médico e UTI sobre uma arritimia supraventricular. Cheguei ao PA com batimento cardíaco acima de 200/min.Na alta fui orientada a usar continuamente a medicação Selozok. Entendi corretamente a sua explanação sobre a pesquisa que atrela a depressão a pressão baixa.Minha pressão sempre foi baixa e agora tenho tido algumas medidas com resultados mais elevados.No entanto, com a medicação Selozok de uso contínuo eu não estou conseguindo sair do episódio de depressão que vem se estendendo desde então ainda que a psiquiatra aumentou as doses dos antidepressivos.O Dr considera que esta minha percepçao faz sentido?

  2. RESPOSTA 1
    Boa tarde. A princípio a depressão não apresenta uma relação direta com a arritmia relatada por você. Em muitos casos de depressão a remissão significativa dos sintomas pode demorar meses, por isso, é fundamental que você continue em acompanhamento psiquiátrico e psicoterápico, tomando os medicamentos conforme orientação médica. O curso da taquicardia paroxística supraventricular pode variar bastante, influenciando na escolha da opção do tratamento. Segue um link sobre taquicardia paroxística supraventricular
    http://portaldocoracao.com.br/taquicardia-paroxistica-atrial-e-supraventricular/

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here