Trimetazidina ( Vastarel )

0
50

VASTAREL

Trimetazidina

Uso adulto

– Forma farmacêutica e apresentação

Caixas com 30 ou 60 comprimidos revestidos.

– Composição

Cada comprimido revestido contém: Trimetazidina (dicloridrato) DCB 20 mg. Excipientes: Amido de milho, oleato de glicerol, hidroxipropilmetilcelulose, corante laca amarelo- crepúsculo, corante laca vermelho-coccina, d-manitol, dióxido de titânio, polioxietilenoglicol, polivinilpirrolidona, estearato de magnésio, talco q.s.p. um comprimido revestido de 95 mg.

– Informações técnicas

– Propriedades farmacológicas

Antiisquêmicas:  A trimetazidina preserva o metabolismo energético da célula exposta à hipoxia  ou à isquemia, evitando a queda das taxas intracelulares de ATP.  Preserva, também, o funcionamento das bombas iônicas e o fluxo transmembrana de sódio e potássio, mantendo a homeostase celular.  

– Estudos em animais

A atividade da trimetazidina sobre o metabolismo celular foi investigada em cães com insuficiência aórtica ou coronariana e em camundongos sob hipoxia severa, comprovando evitar: o acúmulo de lactato ao nível do tecido miocárdico e a redução da taxa de intermediários da glicólise ao nível da célula hepática.   O estudo do potencial energético celular, efetuado em ratos após injeção de vasopressina e em camundongos sob hipoxia severa, demonstrou que a trimetazidina evita, ao nível das células miocárdicas, a depleção das reservas energéticas de ATP; ao nível dos neurônios, evita a redução intracelular das reservas de ATP e de AMP cíclico; mantém, no hepatócito, a atividade funcional das enzimas mitocondriais, sede da produção energética celular.   A trimetazidina opõe-se, também, às modificações eletrofisiológicas induzidas pela isquemia, diminuindo a elevação do segmento ST no ECG de cães submetidos a infarto do miocárdio experimental; após isquemia cerebral provocada em coelhos, facilita o aparecimento de uma atividade elétrica global ao EEG e permite um retorno precoce à reatividade cortical.  Concluindo, a trimetazidina corrige os distúrbios metabólicos provocados pela isquemia experimental.  

– Experiência em seres humanos

Estudos controlados em duplo-cego demonstraram que: Em pacientes coronariopatas: A trimetazidina aumenta a reserva coronária, ou seja, retarda o aparecimento das alterações isquêmicas aos esforços, a partir do 15º dia de tratamento; limita os picos tensionais desencadeados por esforços, sem provocar variações significativas na freqüência cardíaca; diminui significativamente a freqüência das crises anginosas; propicia uma redução significativa no consumo de nitratos. Em ORL: A trimetazidina melhora os testes de função vestibular; permite um ganho em decibéis; age sobre a Síndrome de Ménière e sobre as síndromes vestibulares; tem ação sobre os acúfenos. Em oftalmologia: A trimetazidina melhora o traçado do ERG, comprovando uma melhora da atividade funcional da retina.  

– Farmacocinética  

A trimetazidina é absorvida pelo trato digestivo.   A eliminação é feita por via urinária, com meia-vida variando entre 4 h 30 min e 5 h 10 min.

– Indicações terapêuticas  

Em cardiologia:  Insuficiência coronariana.  Em ORL: Vertigens de origem vascular, acúfenos.  Em oftalmologia: Patologias coriorretinianas vasculares.

– Contra-indicações

Não se conhecem contra-indicações até o presente momento.

– Precauções de uso

Pela ausência de dados clínicos, desaconselha-se o uso durante a gravidez e o aleitamento.

– Interações medicamentosas

Não foram observadas interações medicamentosas entre a trimetazidina e medicamentos antianginosos, glicosídeos cardíacos, antiarrítmicos ou anticoagulantes.

– Reações adversas

Raras e geralmente benignas: náuseas, epigastralgia, prurido, cefaléia.

– Posologia e modo de administração  

A  posologia recomendada é de 2 a 3 comprimidos diários, fracionada em duas a 3 tomadas, às principais refeições.

– Atenção

Este produto é um novo medicamento e, embora as pesquisas realizadas tenham indicado eficácia e segurança quando corretamente indicado, podem ocorrer reações adversas imprevisíveis, ainda não descritas ou conhecidas.   Em caso de suspeita de reação adversa, o médico responsável deve ser notificado.

SERVIER.

– Laboratório

Laboratorio Servier

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here