Unidades de atendimento ao ataque cardíaco evitam erros médicos

0
124


As  unidades de atendimento ao ataque cardíaco, também chamadas de unidades de dor torácica  ( UDT ) , são  serviços especializados no diagnóstico e tratamento da doença arterial coronariana ( comprometimento das artérias do coração por placas de gordura )  em sua forma aguda , ou seja , a angina do peito instável ou  infarto do miocárdio ( ataque cardíaco ). As unidades de dor torácica ( UDT ) têm os seguintes objetivos : evitar uma liberação inapropriada de um paciente que apresenta alguma queixa , em geral , dor torácica , associada ao quadro clínico da  angina do peito ou do infarto do miocárdio ; diminuir a demora no atendimento destes pacientes dentro do hospital e , por fim , educar a população em geral sobre os sintomas de um ataque cardíaco , seus riscos e a necessidade de um pronto atendimento.

Funcionamento das unidades de dor torácica :

– Avaliação inicial : as unidades de dor torácica ( UDT ) são estruturas montadas dentro de um hospital  cardiológico ou geral ( que atenda 24 horas por dia)  . aonde é possível avaliar o paciente com uma queixa aguda ,  geralmente dor  trorácica , a qual pode ser causada pela doença arterial coronariana em sua forma aguda ( angina do peito instável ou infarto do miocárdio ).  Inicialmente os pacientes passam por uma consulta objetiva  , detalhando as características da dor torácica  ( local , tipo de dor, irradiação , duração , fatores desencadeantes , fatores de agravo e alívio e , possíveis sintomas associados ) . Outro aspecto importante da consulta , é determinar se o paciente apresenta fatores de risco cardiovascular , pois a  presença destes , aumenta muito a possibilidade que a dor  seja realmente de origem cardíaca.  Após o exame físico  ,  realiza-se um eletrocardiograma. 

– Rotas de diagnóstico : de acordo com as características da dor e dos achados do eletrocardiograma, o paciente poderá ser enquadrado em quatros rotas de investigação :

*Rota I  : suspeita de infarto do miocárdio em evolução , o qual provavelmente está sendo causado por uma obstrução total de uma artéria coronária por um coágulo . Este quadro é denominado de  infarto do miocárdio com supradesnível do segmento ST ou  bloqueio do ramo esquerdo ( achados do eletrocardiograma ) .

*Rota II : suspeita de angina do peito instável ou infarto do miocárdio, os quais provavelmente estão sendo causados por uma obstrução  apenas parcial de uma artéria coronária por um coágulo. Quando há suspeita de  infarto do miocárdio , este  é denominado de infarto do miocárdio sem supradesnível do segmento ST do eletrocardiograma.

*Rota III : o diagnóstico de angina do peito instável ou  infarto do miocárdio  são improváveis , mas ainda não podem  ser totalmente afastados  .

*Rota IV : o paciente é liberado da unidades de dor torácica ( UDT ), pois  sua dor definitivamente , não é de origem cardíaca  .

Nas rotas I , II e III são realizados eletrocardiogramas e dosagens de enzimas cardíacas de uma forma seriada. Para o diagnóstico de infarto do miocárdio  , obrigatoriamente , deverá haver uma elevação das enzimas cardíacas. Um ecocardiograma , também costuma ser realizado em pacientes de rota I e II , os quais deverão obrigatoriamente permanecer internados. De acordo com o os resultados dos eletrocardiogramas e das enzimas cardíacas , pacientes de rota II e III , poderão ser encaminhados para realização de uma prova funcional , como o teste ergométrico , cintilografia de perfusão miocárdica ou ecocardiograma de estresse. Por último , na dependência dos resultados destes exames , poderá ser solicitada a realização de um cateterismo cardíaco e cineangiocoronariografia.    

Condutas médicas adotadas após o diagnóstico:

– Pacientes de rota I : estes pacientes recebem o diagnóstico de infarto  do miocárdio  com supradesnível do segmento ST ou bloqueio do ramo esquerdo ( achados do eletrocardiograma).  Após a internação imediata na unidade de terapia intensiva , estes   pacientes  devem ser  encaminhados o mais rápido possível a uma terapia de reperfusão ( esta visa desobstruir a artéria totalmente ocluída por um coágulo formado sob uma placa de ateroma ) . Esta terapia poderá ser uma angioplastia coronariana ou a infusão de um trombolítico ( medicamento injetado em uma veia com a finalidade de desfazer o coágulo ). Por alguns motivos , alguns casos confirmados de infarto do miocárdio não necessitam da realização de uma angioplastia coronariana.  Estes pacientes em geral , permanecem no mínimo  três dias internados na unidade de terapia intensiva.

– Pacientes de rota II : estes pacientes são internados na unidade de terapia intensiva e, recebem apenas medicamentos para diminuir o processo de coagulação ( antiplaquetários e antitrombóticos ) .O objetivo inicial do tratamento , é tentar evitar que o coágulo aumente , obstruindo totalmente a artéria. Depois  do término da rota de investigação ( cerca de nove horas ) , caso estes pacientes não apresentem alterações do eletrocardiograma e das enzimas cardíacas , deverão ser encaminhados para as provas funcionais ( teste ergométrico , cintilografia de perfusão miocárdica ou ecocardiograma de estresse). Por último , na dependência dos resultados destes exames , poderá ser solicitada a realização de um cateterismo cardíaco e cineangiocoronariografia. Este último exame poderá ser solicitado diretamente, caso apareçam alterações significativas do eletrocardiograma ou das enzimas cardíacas , sendo então , dispensadas as provas funcionais.

Os pacientes de rota II com o diagnóstico de angina do peito instável ou infarto do miocárdio geralmente serão encaminhados para um cateterismo cardíaco e cineangiocoronariografia,( geralmente 24 horas após a internação ) , o qual poderá ser ou não seguido de uma angioplastia coronariana. Estes pacientes em geral , permanecem no mínimo três dias internados na unidade de terapia intensiva. Os pacientes de rota II , nos quais o dianóstico  de angina do peito instável ou infarto do miocárdio não se confirma , costumam ser liberados para a casa logo após o término da rota ( no mínimo 10 horas após a internação ).

– Pacientes de rota III : estes pacientes não  são internados  e, costumam  receber apenas o ácido acetilsalicílico para diminuir a atividade das plaquetas . Depois  do término da rota de investigação ( cerca de três horas ) , caso estes pacientes não apresentem alterações significativas do eletrocardiograma e das enzimas cardíacas , deverão ser encaminhados para as provas funcionais ( teste ergométrico , cintilografia de perfusão miocárdica ou ecocardiograma de estresse). Por último , na dependência dos resultados destes exames , poderá ser indicada a realização de um cateterismo cardíaco e cineangiocoronariografia. Este último exame poderá ser solicitado diretamente, caso  apareçam alterações significativas do eletrocardiograma ou das enzimas cardíacas dentro das primeiras três horas , sendo então , dispensadas as provas funcionais.

Os pacientes de rota III com o diagnóstico  confirmado de angina do peito instável ou infarto do miocárdio poderão ser encaminhados para um cateterismo cardíaco e cineangiocoronariografia ( geralmente  24 horas após a internação  ), o qual poderá ser ou não seguido de uma angioplastia coronariana. Estes pacientes em geral , permanecem no mínimo três dias internados na unidade de terapia intensiva. Os pacientes de rota III , nos quais o dianóstico  de angina do peito instável ou infarto do miocárdio não se confirma , costumam ser liberados para a casa logo após o término da rota ( no mínimo 4 horas após a chegada na unidade de dor torácica ). 

 www.portaldocoracao.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here