Válvula aórtica bicúspide

0
1017

O nosso coração possui quatro câmaras: duas superiores e menores (átrios), e duas inferiores e maiores (ventrículos). Cada ventrículo possui uma válvula de entrada e outra de saída, totalizando quatro, que normalmente conduzem o sangue em apenas um único sentido.

O sangue pobre em oxigênio flui através da válvula tricúspide do átrio direito para o ventrículo direito, e da válvula pulmonar do ventrículo direito para as artérias pulmonares (circulação pulmonar), para ser oxigenado.

O sangue oxigenado no átrio esquerdo passa pela válvula mitral até o ventrículo esquerdo e, por último, sai do ventrículo esquerdo em direção à artéria aorta através da válvula aórtica (circulação sistêmica).

Válvula aórtica bicúspide

A válvula aórtica normal é tricúspide, ou seja, composta por três folhetos (partes). A válvula aórtica bicúspide é composta por apenas de dois folhetos, sendo a doença congênita cardíaca mais frequente, com uma incidência de 13/1000 nascimentos. Ocorre um predomínio nos homens, podendo estar associada a doenças da aorta. Existem 3 subtipos de válvula aórtica bicúspide (tipo 0, tipo 1 e tipo 2). A válvula aórtica quadricúspide, ou seja, formada por quatro folhetos, é uma doença muito rara.

Diagnóstico

O diagnóstico da válvula aórtica bicúspide é realizado pelo ecocardiograma, exame que avalia a estrutura do coração através de ondas de ultrassom. O ecocardiograma transesofágico, modalidade de ecocardiograma na qual a sonda de ultrassom é introduzida pelo esôfago, pode ser solicitado em casos duvidosos. A angiotomografia da aorta é utilizada para afastar doenças da aorta que podem estar associadas à válvula aórtica bicúspide.

Complicações

-Estenose da válvula aórtica:

É a complicação mais frequente, afetando cerca de um terço dos pacientes com válvula aórtica bicúspide.  A maioria dos pacientes desenvolve sintomas relativos a estenose da válvula aórtica na quarta década de vida.

-Insuficiência da válvula aórtica:

Menos comum. Geralmente associada à doença da aorta.

-Aortopatia (doenças da aorta):

Pode ocorrer uma dilatação progressiva da aorta ascendente (segmento inicial da aorta, logo quando essa artéria emerge do coração), com formação de um aneurisma, risco de dissecção aórtica aguda e/ou ruptura.

O comprometimento da aorta pode ocorrer associado com a estenose da válvula aórtica, insuficiência da válvula aórtica ou de forma isolada. O comprometimento poderá ser da raiz da artéria aorta, aorta ascendente ou ambos.

Tratamento

Quando há presença de doença aórtica associada (principalmente com diâmetro da aorta maior que 40 mm), o controle da pressão arterial é importante, e muitos especialistas defendem o uso de betabloqueadores (atenolol, metoprolol, entre outros) como medicamentos de primeira escolha.

– Cirurgia de troca da válvula aórtica:

Nos casos de estenose ou insuficiência da válvula aórtica graves.

– Cirurgia de tubo valvado:

Indicada quando há comprometimento da aorta, princialmente quando a raiz e aorta ascendente estão afetadas.

– Cirurgia aórtica com preservação valva nativa:

Nos casos em que a raiz da aorta está preservada, mas a aorta ascendente está comprometida. Esse tipo de cirurgia está indicado nos casos em que a aorta tem mais de 50-55 mm de diâmetro, ou ainda, nos casos de 45-50 mm de diâmetros, mas quando houver necessidade de cirurgia de troca valvular associada por causa da presença de estenose ou insuficiência da válvula aórtica graves.

– TAVI:

O implante de bioprótese aórtica transcateter (TAVI) era contraindicada nos casos de válvula aórtica bicúspide. Porém, vários centros têm realizado o procedimento com bons resultados, principalmente nos pacientes de alto risco cirúrgico.

Autor: Dr. Tufi Dippe Jr – Cardilogista de Curitiba – CRM/PR 13700.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here