Comer diariamente amêndoas e chocolate amargo diminui o colesterol?

0
354

A ingestão regular de amêndoas e chocolate amargo pode ajudar a reduzir um fator de risco importante para a doença arterial coronariana: o LDL-colesterol, também conhecido como “colesterol ruim”.

A doença arterial coronariana caracteriza-se pela formação de placas de gorduras (ateromas) na parede das artérias do coração, sendo a principal causa do infarto miocárdio (ataque cardíaco).

Em um estudo recente, pesquisadores norte-americanos da Penn State University descobriram que comer amêndoas diariamente (aproximadamente um terço de uma xícara) acompanhadas de chocolate amargo (aproximadamente um quarto de uma xícara), melhorava o perfil das gorduras circulantes no sangue dos participantes do estudo.

Os pesquisadores destacaram que o consumo combinado de amêndoas e chocolate amargo levou a uma redução significativa nas partículas pequenas e densas do LDL-colesterol (“colesterol ruim”), um fator de risco reconhecido para doença arterial coronariana.

Essa combinação forneceu cerca de 270 calorias ao dia, podendo ser uma boa opção para substituir outros alimentos doces ingeridos diariamente, que geralmente são calóricos e de baixo valor nutritivo. Seria uma escolha inteligente em relação às calorias que podemos ingerir diariamente.
Estudos anteriores sugerem que os flavanoides da semente do cacau exercem um efeito antiinflamatório e antioxidante  semelhante ao efeito dos medicamentos redutores de colesterol, que são as estatinas. Com isso, eles diminuiriam o “colesterol ruim” dos pacientes. O chocolate amargo contém uma quantidade substancialmente maior de flavanoides quando comparado ao chocolate ao leite.
A amêndoa é uma oleaginosa com baixo teor glicêmico, ou seja, um alimento menos calórico, o que faz dela uma boa opção para quem faz uma dieta com o objetivo de restringir calorias. Além disso, as amêndoas são fonte de antioxidantes e gorduras monoinsaturadas. Por isso, a amêndoa é um alimento que protege o coração contra doenças cardíacas.
Fonte: Journal of the American Heart Association.
Autor: Dr. Tufi Dippe Jr – Cardiologista de Curitiba – CRM/PR 13700.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here