Dor torácica (dor no peito)

0
1859

Dor torácica é a sensação de dor ou desconforto percebida de diversas formas, mas com localização na região anterior ou posterior do tórax. A maneira de sentir a dor e o modo de caracterizá-la varia de pessoa para pessoa. Varia também em função das condições psicológicas e do ambiente do indivíduo em um determinado momento. A origem racial também poderá influenciar na percepção e no grau do desconforto torácico.

Frente a um sintoma de dor torácica devemos definir os seguintes aspectos: localização, irradiação, característica, duração, fatores precipitantes, fatores que melhoram e/ou pioram a dor, e ainda, os sintomas associados. Nesta matéria falaremos a respeito da dor torácica de origem coronariana, ou seja, pela formação de placas de gordura nas paredes das artérias do coração.

Localização

A dor de origem cardíaca causada pela doença arterial coronariana (angina do peito ou infarto do miocárdio) é localizada na região central do tórax (retroesternal) e difusa (é difícil limitar a área da dor). Uma dor em um dos lados do tórax e bem localizada (num determinado ponto do tórax), fala contra que sua origem seja a doença arterial coronariana.

Irradiação

A dor de origem cardíaca poderá manifestar-se apenas em seus possíveis locais de irradiação. Quando  falamos em dor torácica de origem cardíaca, subentende-se toda uma área de possível de irradiação que vai desde a mandíbula até o umbigo, incluindo ambos os braços, a região posterior do tórax, o pescoço, a mandíbula e a boca do estômago. Dores localizadas fora desses limites não costumam ter origem cardíaca. Uma dor torácica anterior e irradiada para ambos os braços é altamente sugestiva de uma origem coronariana.

Característica

A dor torácica coronariana é difusa e percebida como um aperto, opressão, pressão ou queimação. A dor torácica referida como pontadas ou agulhadas, raramente tem origem coronariana.

Duração

A dor da angina do peito costuma durar de 5 a 20 minutos. Uma dor torácica com características de doença arterial coronariana, mas com duração superior a 20 ou 30 minutos, sugere a ocorrência de infarto do miocárdio. A dor torácica que dura segundos ou horas ou ainda dias, é intermitente (aparece e desaparece várias vezes ao longo do dia), raramente tem como origem a doença arterial coronariana.

Fatores precipitantes

A dor torácica coronariana costuma ser precipitada pelo exercício físico, estresse emocional ou após uma refeição mais copiosa e de difícil digestão.

Fatores de melhora e piora

A dor torácica coronariana não costuma ter fatores de piora, como a palpação do tórax, respiração profunda, mudança na posição do corpo ou movimentação dos braços. Costuma aliviar espontaneamente com o repouso ou após o uso de nitratos (vasodilatadores coronarianos, como o Isordil ou Sustrate).

Sintomas associados

A dor torácica coronariana poderá estar acompanhada de falta de ar (dispneia), sudorese, náuseas, palidez, vômitos (sintomas mais sugestivos de infarto do miocárdio), palpitações, ansiedade e agitação. A presença de tosse, febre, azia e outros sintomas, podem sugerir outras causas para a dor torácica, como as doenças respiratórias ou do aparelho digestivo.

Classificação

A dor torácica pode ser classificada em 4 categorias a partir das suas características clínicas, independentemente dos exames complementares.

– Dor anginosa típica (tipo A):

As características de angina do peito típica são evidente, levando ao diagnóstico de doença arterial coronariana  (angina do peito ou infarto do miocárdio), mesmo sem o resultado de qualquer exame complementar. Tipicamente é uma dor opressiva no centro do tórax, desencadeada pelo esforço físico e que alivia com repouso ou nitratos.

– Dor provavelmente anginosa (tipo B):

Esse tipo de dor não possui todas as características de uma angina do peito típica, mas a doença coronariana é a principal suspeita diagnóstica.

– Dor provavelmente não anginosa (tipo C):

É uma dor atípica, mas não é possível excluir totalmente o diagnóstico de doença arterial coronariana sem a realização de exames complementares.

– Dor não anginosa (tipo D):

É um tipo de dor com características de origem não coronariana. Nestes casos outros diagnósticos se sobrepõem claramente à hipótese de doença arterial  coronariana.

Equivalente anginoso

Alguns pacientes, como os idosos, ao invés de sentirem um desconforto torácico como manifestação de angina do peito, percebem apenas uma dificuldade respiratória (dispneia). Esse sintoma equivale ao de angina do peito (equivalente anginoso).

“O Portal do Coração adverte: a dor torácica pode ser indicativa de uma doença potencialmente grave. Por isso, se você está sentindo este sintoma, procure sempre a orientação imediata de um médico”.

Autor: Dr. Tufi Dippe Júnior – Cardiologista de Curitiba – CRM/PR 13700.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here