Genética e tabagismo

0
114

Estudos genéticos vêm indicando que a iniciação do tabagismo, o grau de dependência, a dificuldade em deixar de fumar e a manutenção da abstinência são substancialmente determinados por um tipo de herança complexa, a qual envolve múltiplas variantes genéticas.

Estima-se que os fatores genéticos possam ser responsáveis por até 60% do risco de início e 70% da manutenção da dependência à nicotina.

Diversas variantes genéticas já foram identificadas, todavia, algumas estão sendo mais amplamente estudadas, especialmente pela consistência dos achados em diferentes aspectos do tabagismo. Entre os sistemas de neurotransmissores cerebrais, o circuito dopaminérgico (mediado pela dopamina) e o circuito serotonérgico (mediado pela serotonina) são os mais estudados.

As variantes nos genes que regulam a enzima monoaminoxidase (MAO-A e MAO-B) e no gene CYP2A6, responsável pela transformação da nicotina em cotinina no fígado, possivelmente estejam envolvidos em vários aspectos ligados ao tabagismo.

Apesar de todo esse crescente conhecimento, ainda não está claro o papel da hereditariedade no manejo do tabagismo na prática diária.

Fonte:Diretrizes para Cessação do Tabagismo(2008)

www.portaldocoracao.com.br

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here