Uma nova chance após um infarto do miocárdio

0
393

Você sofreu um infarto do miocárdio e está voltando do hospital para casa? Apesar de toda essa situação grave , tente ver o lado bom da coisa. Uma boa parte das pessoas que sofreram um infarto do miocárdio ,não sobrevivem. Essa doença é a principal causa de morte no mundo ocidentalizado. O fato é que você está tendo um nova chance. Procure fazer , desta vez , a coisa certa , mudar hábitos de vida e , desta forma , diminuir seus riscos futuros.A seguir enumeramos alguns aspectos a serem observados em pacientes infartados , após a alta hospitalar. 

O uso de medicamentos:

O paciente que sofreu um infarto do miocárdio , receberá na alta hospitalar, uma receita contendo vários medicamentos, os quais  são de uso contínuo e não deverão ser suspensos sem uma orientação médica. Na hora da compra destas medicações, evite as trocas no balcão da farmácia. Em casos de efeitos colaterais, comunique seu médico o mais breve possível.

Cuidados após cateterismo e angioplastia coronariana :

Caso um ou ambos procedimentos tenham sido realizados , você deverá evitar de  movimentar o seu punho por 48 horas ( nos casos de acesso pela artéria radial ) ou manter a perna esticada por 24 horas ( acesso pela artéria femural ), no entanto, estes cuidados  geralmente são adotados ainda no período de internação. A dor no local de acesso do cateterismo é uma queixa comum. Caso haja a presença de hematomas , estes deverão ser reabsorvidos espontâneamente , ao longo do tempo. Sangramentos ou aumentos de volume no local de acesso do cateter (artéria radial ou femural) , deverão ser comunicados ao médico assistente. 

Combate dos fatores de risco:

Cerca de 90% dos pacientes que sofreram um infarto do miocárdio, apresentam um ou mais fatores de risco cardiovascular que podem ser modificados . Esses fatores de risco devem ser combatidos, visando evitar  complicações futuras, a chamada prevenção secundária. Os principais fatores de risco  são : tabagismo ( meta: deverá ser abolido), obesidade ( meta: obter um índice de massa corporal inferior a 25 kg/m2 e uma circunferência abdominal inferior a 80 cm nas mulheres e 94 cm nos homens), dislipidemias ( anormalidades do colesterol e frações ; meta : colesterol total inferior a 200mg/dl,  LDL-colesterol ou "colesterol ruim" inferior a 100m/dl ou 70mg/dl em pacientes de muito alto risco , HDL-colesterol ou "colesterol bom" maior que  40 ou 50 mg/dl nos pacientes diabéticos e nas mulheres , triglicerídeos inferiores a 150 mg%), diabete melito (meta: glicemia de jejum menor que 120mg/dl e hemoglobina glicosilada dentro dos limites superiores do laboratório, em geral, até 7mg/dl), hipertensão arterial (meta: pressão arterial ótima , ou seja, abaixo de 120/80 mmHg ou, pelo menos, pressão arterial normal, ou seja, abaixo de 130/85 mmHg), sedentarismo ( meta: exercícios físicos aeróbicos leves a moderados, pelo menos três vezes por semana, 30 a 45 minutos) e estresse psicossocial e depressão ( meta: melhora do quadro com acompanhamento psicológico e, se necessário , uso de medicação). 

A alimentação:

Deverá ser individualizada, de acordo com o perfil do paciente. Preferencialmente ,  uma nutricionista deverá ser consultada.  Procure ingerir uma quantidade de calorias diárias que lhe permita atingir um peso adequado ( se você precisa emagrecer , leia a página sobre a dieta de pontos ).  O estudo INTER-HEART demonstrou que a ingesta diária de frutas , verduras e legumes, ajuda a prevenir  um  infarto do miocárdio . Limite  a ingesta de sal em menos de  seis gramas ao dia ( cerca de seis colheres rasa de chá de sal , ou seja , 4 colheres rasas de chá de sal para o preparo dos alimentos  mais  duas colheres de sal próprio dos alimentos ).  Evite os alimentos ricos em colesterol ( ingira menos de 300mg de colesterol ao dia ) , os quais são exclusivamente  de origem animal ( derivados do leite com alto teor de gordura , gordura aparente das carnes , gema dos ovos , pele das aves , miúdos , embutidos e certos  frutos do mar ) . Evite também as gorduras saturadas ( frituras )  e as gorduras trans ou hidrogenadas ( leia o rótulo de composição do alimento ) ,  que são encontradas em alguns produtos industrializados como molhos , sorvetes , bolos e certos biscoitos  . Procure ingerir peixe , principalmente os ricos em ácido graxos ômega 3 ( sardinha , truta , salmão  e bacalhau ) , pelo menos duas vezes por semana. Os fitoesteróis  são substâncias antioxidantes  de origem vegetal e , podem ser encontrados em margarinas enriquecidas , que são uma ótima opção para substituir a manteiga ou as margarinas com gorduras hidrogenadas. Procure ingerir alimentos ricos em fibras  ( cereias  , frutas , verduras e legumes ). Derivados de soja , grão integrais , nozes , assim como outros alimentos , apresentam efeitos comprovadamente benéficos sobre as gorduras do sangue e a aterosclerose ( leia as páginas sobre alimentos funcionais ). 

Teste de esforço atenuado: 

A solicitação de um teste de esforço , mais leve do que o habitual , poderá ser necessária em 4 a 10 dias após um infarto do miocárdio . Os dados deste exame, juntamente com outros parâmetros clínicos e do ecocardiograma ( exame que analisa o coração através de ondas ultrassônicas ) , serão úteis para classificar os pacientes em baixo, médio e alto risco após a alta hospitalar. Esta classificação é muito útil , como veremos abaixo. 

Atividade sexual:

Poderá ser reiniciada (com o parceiro habitual ),  7 a 10 dias após a alta hospitalar naqueles pacientes que sofreram um infarto do miocárdio   sem complicações ou com complicações leves e que estão sem sintomas ( pacientes de baixo risco ). Em pacientes de médio risco ou alto risco , o momento da liberação para atividade sexual ficará a critério do médico assistente. O uso de medicações para disfunção erétil deverá ter a premissão do médico assistente.

Próxima consulta médica:

O retorno ao consultório deverá ser estipulado pelo médico assistente , no entanto, a maioria dos pacientes precisarão ser reavaliados dentro de no máximo 15 dias.

Retorno ao trabalho  e as  atividades físicas:

Os pacientes que sofreram um infarto do miocárdio  sem complicações ou com complicações leves e que estão sem sintomas , poderão retornar ao trabalho dentro de duas a quatro semanas. Caso não haja uma contra-indicação, as atividades físicas mais intensas , poderão ser reintroduzidas também neste período, com caminhadas leves no plano, iniciando com 15 minutos  e aumentando este tempo gradativamente até atingir cerca de uma hora. Pacientes de médio e alto risco deverão ser reavaliados para o retorno ao trabalho e as atividades físicas. 

Exercícios físicos e reabilitação cardíaca:

Os exercícios físicos são fundamentais dentro de um programa de reabilitação cardíaca, o qual é obrigatório após o infarto do miocárdio . Esta reabilitação deverá ser iniciada ainda na unidade de terapia intensiva ( fase hospitalar) e mantida após a alta hospitalar ( fase ambulatorial ). A reabilitação cardíaca engloba um conjunto de medidas  que  permitem uma melhora das condições do sistema cardiovascular, mas também dos fatores de risco para as doenças cardiovasculares ( reabilitação cardiometabólica ) . Em pacientes de médio e alto risco, a reabilitação cardíaca deverá ser supervisionada, ou seja, realizada inicialmente em uma clínica especializada. Em pacientes de baixo risco, recomenda-se  caminhadas no plano , iniciando com 15 minutos , com incrementos gradativos até atingir uma hora , pelo menos três a cinco vezes por semana.

Atividades esportivas:

Caso não haja contra-indicação , num momento oportuno ,  recomenda-se a prática de marcha atlética , corrida de pequenas distância e tênis em duplas. Squash, tênis individual, futebol e basquete devem ser evitados. Natação e hidroginástica requerem atenção especial quanto a temperatura da água da piscina, a qual deverá ficar entre 18 e 25 graus. 

www.portaldocoracao.com.br

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here