Especialista em hipertensão arterial esclarece dúvidas sobre a doença

0
125

O Dr. Tufi Dippe Júnior , cardiologista e especialista em hipertensão arterial pela SBH (Sociedade Brasileira de Hipertensão Arterial), nos conta as últimas novidades sobre esta doença que afeta cerca de um quarto dos adultos em nosso país.

1- Portal do coração (PC):

Qual a importância da hipertensão arterial (HA) no contexto da saúde pública brasileira?

Dr. Tufi:

A HA no meio científico é conhecida como a "matadora silenciosa", exatamente pelo grande contingente de pacientes que desconhecem ser portadores da doença. Segundo a Associação Americana do Coração, 30% dos hipertensos desconhecem a sua condição. A  HA é o principal desafio da saúde pública brasileira. Para se ter idéia do tamanho do problema, a HA explica 25% dos casos de diálise por insuficiência renal crônica terminal, 80% dos acidentes vasculares cerebrais (derrame cerebral ) e 60% dos casos de infarto do miocárdio (ataque cardíaco).

Essas doenças são a principal causa de morte no país ,  quase 300 mil óbitos por ano. As complicações, quando não levam à morte, prejudicam a qualidade de vida do paciente e oneram o Estado. Dados do Instituto Nacional de Seguridade Social ( INSS ) demonstram que 40% das aposentadorias precoces decorrem de derrames cerebrais e infartos do miocárdio. As doenças cardiovasculares foram responsáveis por 1,18 milhões de internações no Sistema Único de Saúde (SUS) em 2005, a um custo aproximado de 1,3 bilhões de reais.

2-PC:

Existem sintomas que indiquem a presença da doença?

Dr. Tufi:

A  HA  é uma doença crônica e de natureza assintomática. Não existem sintomas confiáveis indicativos da sua presença . A HA costuma aparecer após a terceira década nos homens e , após os 50 anos nas mulheres. Histórico familiar da doença , excesso de peso , diabete melito , sedentarismo , estresse psicossocial , baixo nível sócio-econômico , idade avançada e ingesta excessiva de álcool, são alguns dos fatores de risco para o aparecimento da doença.

3- PC:

Existem novidades em relação ao seu diagnóstico?

Dr. Tufi:

No ano de 2006 , tivemos a publicação da última diretriz brasileira de HA . Este documento  reforça que , na maioria dos casos ,para que se faça um diagnóstico adequado , poderá ser necessária a utilização de algum método que analise a pressão arterial fora do ambiente médico  . A monitorização ambulatorial da pressão arterial (MAPA) e a monitorização residencial da pressão arterial (MRPA) , são os exames utilizados com essa finalidade .

A explicação deste fato , reside nos conceitos da hipertensão do avental branco (presença de HA apenas no ambiente médico) e da normotensão do avental branco (HA apenas fora da ambiente médico , a pressão arterial não está elevada na ocasião da consulta). De fato, basear-se apenas em poucas medidas da pressão arterial , realizadas no consultório , pode acarretar erros diagnósticos .

4-PC:

No paciente hipertenso  qual das mudanças nos hábitos de vida  acarreta resultados mais expressivos?

Dr. Tufi:

O hipertenso deverá ter uma alimentação adequada , praticar regularmente exercícios físicos , perder peso , ingerir álcool moderadamente e parar de fumar. Todas estas medidas são importantes e , devem ser implementadas em conjunto para se obter melhores resultados. Isoladamente , perder peso é a medida de maior impacto. Eliminar 10 kg de peso pode reduzir a pressão arterial sistólica ( máxima ) em 5 até 20 mmHg. 

5-PC:

Você falou em uma alimentação adequada. Quais são os cuidados que um hipertenso deve ter com a sua alimentação?

Dr. Tufi:

A dieta do hipertenso deverá ser pobre em sal e rica em potássio , magnésio e cálcio . A dieta pobre em sal ( hipossódica ) deverá restringir a ingesta diária de sal em 6 gramas  , ou seja, 4 colheres rasas de café de sal ( 4 gramas de sal ) , mais 2 gramas de sal proveniente dos alimentos (evite:  conservas , frios, enlatados, embutidos, molhos prontos, sopas de pacote, queijos amarelos, salgadinhos, etc…). O consumo de vinagre, limão, azeite de oliva, pimenta  e ervas  está permitido, pois estes alimentos não influenciam na pressão arterial.

Uma dieta hipossódica pode reduzir a pressão arterial sistólica em 2 a 8 mmHg. Uma  dieta rica em potássio e magnésio poderá ser obtida através de uma ingesta rica de feijões, ervilhas, vegetais verde escuros, banana, melão, cenoura, beterraba, frutas secas, tomates, batata inglesa e laranja. O cálcio da dieta poderá ser obtido através de derivados do leite com baixo teor de gorduras , como o leite e o iogurte desnatados e os queijos brancos. Uma dieta, chamada de DASH, composta de frutas, verduras, fibras, alimentos integrais, leite desnatado, pobre em colesterol e gorduras saturadas, foi testada e demonstrou  ser capaz de reduzir a pressão arterial sistólica em 8 a 14 mmHg.

6-PC:

O que é a síndrome metabólica (SM)? qual a sua relação com a  HA?

Dr. Tufi:

A SM   é um transtorno complexo, caracterizado por um agrupamento  de fatores de risco cardiovascular, relacionados com resistência a ação da insulina ( hormônio quem permite a entrada do açúcar na célula ) e obesidade central ( acúmulo de gordura na parte superior do corpo e no interior da cavidade abdominal ). É importante assinalar a associação da SM com doença cardiovascular, aumentando o risco de morte em cerca de duas vezes . As sociedades médicas sugerem alguns métodos para detecção dos indivíduos portadores de SM. A elevação da pressão arterial é um dos critérios para o diagnóstico da SM. Para o diagnóstico da   SM ,  a diretriz brasileira ,  sugeriu que os indivíduos portadores de três ou mais dos seguintes critérios , devam ser considerados como portadores de SM:

– Obesidade abdominal (visceral), medida ao nível médio do abdômen: cintura > 102  cm em homens e > 88 cm em mulheres.Atialmente estes valores foram reduzidos para 94 e 80 cm, respctivamente.

 – Hipertrigliceridemia: > 150 mg/dl.

– HDL colesterol: < 40 mg/dl em homens e < 50 mg/dl em mulheres.

 – Pressão arterial: > 130/85 mmHg.

 – Glicemia de jejum: > 110 mg/dl.

7-PC:

Uma vez que tenha sido feito o diagnóstico da doença, todos os hipertensos deverão iniciar uma medicação anti-hipertensiva?

Dr. TDJ:

Não. A decisão do início imediato de uma medicação anti-hipertensiva , baseia-se no perfil de risco do paciente. Este perfil de risco é estimado pela presença dos fatores de risco cardiovasculares ,  gravidade da HAl  ( nível da pressão arterial ) e  presença de diabete melito ou lesões de orgãos-alvo da hipertensão , como o cérebro , coração , vasos e os rins.Pacientes de baixo risco , ou seja , HA leve e sem outros fatores de risco , podem ser tratados inicialmente por seis meses , apenas com mudanças nos hábitos de vida. 

8-PC:

Estão surgindo novos  tratamentos para a  HA?

Dr. Tufi:

Atualmente dispomos de um grande número de medicamentos , pertecentes a vários grupos específicos . Em geral , todos os medicamentos são úteis para o tratamento e  a maioria,  acaba sendo bem tolerada pelos maioria dos pacientes. Devemos lembrar que a maioria dos hipertensos ( cerca de 70% ) necessitará da associações de dois ou mais medicamentos , para um controle efetivo de sua pressão arterial. Recentemente foi lançado um novo medicamento , chamado de aliskireno , que atua bloqueando a ação da renina ( um hormônio liberado pelo rim que leva a retenção de sal e constricção das artérias ).

Em breve teremos o lançamento de três medicamentos contidos em um só comprimido. Duas novas medicações também estão sendo testadas para o tratamento da hipertensão arterial grave e resistente aos medicamentos habituais. Para esses casos, também estão sendo avaliados dois novos tratamentos: um através de cateter (desnervação dos riins) e um sgundo, que é o implante de um dispostivo que estimula as artérias carótidas do pescoço, causando uma redução significatina da pressão arterial.    

9-PC:

A hipertensão arterial  HA  pode ser evitada ?

Dr. Tufi:

Sim. A HA  é uma doença  multifatorial , ou seja , determinada pela ação de vários fatores, que atuam conjuntamente. Um histórico familiar da doença , excesso de peso , diabete melito , sedentarismo , estresse psicossocial , baixo nível sócio-econômico   e ingesta excessiva de sal e álcool são fatores determinantes para o seu aparecimento. Atuar nestes fatores de risco , ajuda muito a prevenir a HA. Atualmente , enfrentamos uma epidemia mundial de obesidade , inclusive no Brasil. A HA apresenta uma estreita relação com a obesidade, principalmente a central ( acima da cintura ). Perder peso é uma ação preventiva fundamental .  

10-PC:

Qual é o percentual dos pacientes com um  controle adequado da doença?

Dr. Tufi:

Não temos no Brasil  dados conclusivos a esse respeito. Um estudo , chamado de " corações do Brasil" , infelizmente , demonstrou taxas de controle da doença abaixo de 10% , do total de pacientes hipertensos. A natureza assintomática , crônica e incurável da doença , associado ao custo e possíveis efeitos colaterais dos medicamentos , podem explicar em parte , estas taxas tão baixas de hipertensos corretamente tratados.

www.portaldocoracao.com.br

 

 

 

 

 

 O Dr. Tufi Dippe Júnior , cardiologista e especialista em hipertensão arterial (HA) pela SBH ( Sociedade Brasileira de Hipertensão Arterial ) , nos conta as últimas novidades sobre esta doença que afeta cerca de um quarto dos adultos em nosso país.

1- Portal do coração (PC) : qual a importância da hipertensão art erial na saúde pública brasileira?

Dr. Tufi:

A HA no meio científico é conhecida como a "matadora silenciosa", exatamente pelo grande contingente de pacientes que desconhecem ser portadores da doença. Segundo a Associação Americana do Coração, 30% dos hipertensos desconhecem a sua condição. A  HA é o principal desafio da saúde pública brasileira. Para se ter idéia do tamanho do problema, a HA explica 25% dos casos de diálise por insuficiência renal crônica terminal, 80% dos acidentes vasculares cerebrais (derrame cerebral ) e 60% dos casos de infarto do miocárdio ( ataque cardíaco ).

Essas doenças são a principal causa de morte no país ,  quase 300 mil óbitos por ano. As complicações, quando não levam à morte, prejudicam a qualidade de vida do paciente e oneram o Estado. Dados do Instituto Nacional de Seguridade Social ( INSS ) demonstram que 40% das aposentadorias precoces decorrem de derrames cerebrais e infartos do miocárdio. As doenças cardiovasculares foram responsáveis por 1,18 milhões de internações no Sistema Único de Saúde (SUS) em 2005, a um custo aproximado de 1,3 bilhões de reais.

2-PC: existem sintomas que indiquem a presença da doença?

Dr. Tufi:

A  HA  é uma doença crônica e de natureza assintomática. Não existem sintomas confiáveis indicativos da sua presença . A HA costuma aparecer após a terceira década nos homens e , após os 50 anos nas mulheres. Histórico familiar da doença , excesso de peso , diabete melito , sedentarismo , estresse psicossocial , baixo nível sócio-econômico , idade avançada e ingesta excessiva de álcool, são alguns dos fatores de risco para o aparecimento da doença.

3- PC: existem novidades em relação ao seu diagnóstico?

Dr. Tufi:

No ano de 2006 , tivemos a publicação da última diretriz brasileira de HA . Este documento  reforça que , na maioria dos casos ,para que se faça um diagnóstico adequado , poderá ser necessária a utilização de algum método que analise a pressão arterial fora do ambiente médico  . A monitorização ambulatorial da pressão arterial (MAPA) e a monitorização residencial da pressão arterial (MRPA) , são os exames utilizados com essa finalidade .

A explicação deste fato , reside nos conceitos da hipertensão do avental branco (presença de HA apenas no ambiente médico) e da normotensão do avental branco (HA apenas fora da ambiente médico , a pressão arterial não está elevada na ocasião da consulta). De fato, basear-se apenas em poucas medidas da pressão arterial , realizadas no consultório , pode acarretar erros diagnósticos .

4-PC: no paciente hipertenso , qual das mudanças nos hábitos de vida  acarreta resultados mais expressivos?

Dr. Tufi:

O hipertenso deverá ter uma alimentação adequada , praticar regularmente exercícios físicos , perder peso , ingerir álcool moderadamente e parar de fumar. Todas estas medidas são importantes e , devem ser implementadas em conjunto para se obter melhores resultados. Isoladamente , perder peso é a medida de maior impacto. Eliminar 10 kg de peso pode reduzir a pressão arterial sistólica ( máxima ) em 5 até 20 mmHg. 

5-PC:

Você falou em uma alimentação adequada. Quais são os cuidados que um hipertenso deve ter com a sua alimentação?

Dr. Tufi:

A dieta do hipertenso deverá ser pobre em sal e rica em potássio , magnésio e cálcio . A dieta pobre em sal ( hipossódica ) deverá restringir a ingesta diária de sal em 6 gramas  , ou seja, 4 colheres rasas de café de sal ( 4 gramas de sal ) , mais 2 gramas de sal proveniente dos alimentos (evite:  conservas , frios, enlatados, embutidos, molhos prontos, sopas de pacote, queijos amarelos, salgadinhos, etc…). O consumo de vinagre, limão, azeite de oliva, pimenta  e ervas  está permitido, pois estes alimentos não influenciam na pressão arterial.

Uma dieta hipossódica pode reduzir a pressão arterial sistólica em 2 a 8 mmHg. Uma  dieta rica em potássio e magnésio poderá ser obtida através de uma ingesta rica de feijões, ervilhas, vegetais verde escuros, banana, melão, cenoura, beterraba, frutas secas, tomates, batata inglesa e laranja. O cálcio da dieta poderá ser obtido através de derivados do leite com baixo teor de gorduras , como o leite e o iogurte desnatados e os queijos brancos. Uma dieta, chamada de DASH, composta de frutas, verduras, fibras, alimentos integrais, leite desnatado, pobre em colesterol e gorduras saturadas, foi testada e demonstrou  ser capaz de reduzir a pressão arterial sistólica em 8 a 14 mmHg.

6-PC: O quê é a síndrome metabólica (SM)? qual a sua relação com a  HA?

Dr. Tufi:

A SM   é um transtorno complexo, caracterizado por um agrupamento  de fatores de risco cardiovascular, relacionados com resistência a ação da insulina ( hormônio quem permite a entrada do açúcar na célula ) e obesidade central ( acúmulo de gordura na parte superior do corpo e no interior da cavidade abdominal ). É importante assinalar a associação da SM com doença cardiovascular, aumentando o risco de morte em cerca de duas vezes . As sociedades médicas sugerem alguns métodos para detecção dos indivíduos portadores de SM. A elevação da pressão arterial é um dos critérios para o diagnóstico da SM. Para o diagnóstico da   SM ,  a diretriz brasileira ,  sugeriu que os indivíduos portadores de três ou mais dos seguintes critérios , devam ser considerados como portadores de SM:

– Obesidade abdominal (visceral), medida ao nível médio do abdômen: cintura > 102  cm em homens e > 88 cm em mulheres.Atialmente estes valores foram reduzidos para 94 e 80 cm, respctivamente.

 – Hipertrigliceridemia: > 150 mg/dl.

– HDL colesterol: < 40 mg/dl em homens e < 50 mg/dl em mulheres.

 – Pressão arterial: > 130/85 mmHg.

 – Glicemia de jejum: > 110 mg/dl.

7-PC:

Uma vez que tenha sido feito o diagnóstico da doença , todos os hipertensos deverão iniciar uma medicação anti-hipertensiva?

Dr. TDJ:

Não. A decisão do início imediato de uma medicação anti-hipertensiva , baseia-se no perfil de risco do paciente. Este perfil de risco é estimado pela presença dos fatores de risco cardiovasculares ,  gravidade da HAl  ( nível da pressão arterial ) e  presença de diabete melito ou lesões de orgãos-alvo da hipertensão , como o cérebro , coração , vasos e os rins.Pacientes de baixo risco , ou seja , HA leve e sem outros fatores de risco , podem ser tratados inicialmente por seis meses , apenas com mudanças nos hábitos de vida. 

8-PC:

Sstão surgindo novos  tratamentoa para a  HA  ?

Dr. Tufi:

Atualmente dispomos de um grande número de medicamentos , pertecentes a vários grupos específicos . Em geral , todos os medicamentos são úteis para o tratamento e  a maioria,  acaba sendo bem tolerada pelos maioria dos pacientes. Devemos lembrar que a maioria dos hipertensos ( cerca de 70% ) necessitará da associações de dois ou mais medicamentos , para um controle efetivo de sua pressão arterial. Recentemente foi lançado um novo medicamento , chamado de aliskireno , que atua bloqueando a ação da renina ( um hormônio liberado pelo rim que leva a retenção de sal e constricção das artérias ).

Em breve teremios três medicamentos contidos em um só comprimido. Duas novas medicações também estão sendo testadas para o tratamento da hipertensão arterial grave e resistente ao tratamento. Para esses casos, também estã sendo avaliado um tratamento por cateter (desnervação dos riins) e o implante de um dispostivo que estimula as artérias carótidas do pescoço, causando uma redução significatina da pressão arterial.    

9-PC:

A hipertensão arterial  HA  pode ser evitada ?

Dr. Tufi:

Sim. A HA  é uma doença  multifatorial , ou seja , determinada pela ação de vários fatores, que atuam conjuntamente. Um histórico familiar da doença , excesso de peso , diabete melito , sedentarismo , estresse psicossocial , baixo nível sócio-econômico   e ingesta excessiva de sal e álcool são fatores determinantes para o seu aparecimento. Atuar nestes fatores de risco , ajuda muito a prevenir a HA. Atualmente , enfrentamos uma epidemia mundial de obesidade , inclusive no Brasil. A HA apresenta uma estreita relação com a obesidade, principalmente a central ( acima da cintura ). Perder peso é uma ação preventiva fundamental .  

10-PC:

Qual é o percentual dos pacientes com um  controle adequado da doença?

Dr. Tufi:

Não temos no Brasil  dados conclusivos a esse respeito. Um estudo , chamado de " corações do Brasil" , infelizmente , demonstrou taxas de controle da doença abaixo de 10% , do total de pacientes hipertensos. A natureza assintomática , crônica e incurável da doença , associado ao custo e possíveis efeitos colaterais dos medicamentos , podem explicar em parte , estas taxas tão baixas de hipertensos corretamente tratados.

www.portaldocoracao.com.br

 

 

 

 

 

 

 

 

 

   

 

 

 

   

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here