Sorologia para doença de Chagas

0
392

A tripanossomíase americana ou doença de Chagas é uma parasitose causada pelo Trypanosoma cruzi. Pode cursar com infecções agudas ou crônicas. A forma aguda em geral é uma doença febril gdiscreta. Pode evoluir, especialmente em crianças, com um quadro mais exuberante, que se caracteriza por febre, falta de apetite, edema da face e dos membros inferiores, linfadenopatia e hepatoesplenomegalia (aumento do fígado e do baço) discreta. Mais raramente ocorre miocardite (inflamação do músculo do coração). Após a fase aguda, o paciente, permanece infectado e passa para uma fase crônica assintomática.

A doença crônica sintomática irá se manisfestar anos ou mesmo décadas após a fase aguda. As clássicas manifestações crônicas se relacionam com distúrbios de ritmo e condução cardíaca, tromboembolias, miocardiopatia chagásica, megaesôfago e megacólon.

A transmissão ocorre por vetores hematófagos (picada do bicho barbeiro), mas pode se dar por via congênita, transfusional e outras formas menos freqüentes, como a inoculação involuntária em laboratório.

Os métodos sorológicos para diagnóstico da doença de Chagas apresentam sensibilidade e especificidade elevadas, sendo úteis para o diagnóstico nas fases aguda e crônica da doença. Entretanto, é possível a reação positiva por reatividade cruzada com as leishmanioses, especialmente com a forma visceral e as formas cutâneo-mucosas da leishmaniose tegumentar, e com outros antígenos em comum. Por isso, é recomendável a realização de reações por diferentes métodos como hemaglutinação, imunofluorescência e enzima imunoensaio.

Devem ser realizados no mínimo dois métodos, para que se controlem mutuamente, visto que, em cada método, são utilizados diferentes antígenos e formas do parasita, o que permite diminuir a possibilidade de resultados falso-positivos. Resultados positivos devem ser encontrados nos dois métodos utilizados para confirmar o diagnóstico. Nos casos de apenas um método apresentar positividade, faz-se necessária a análise clínica da história epidemiológica, achados clínicos e outros exames diagnósticos complementares.

Fonte: Diagnósticos da América.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here