Trombolíticos (fibrinolíticos)

0
1688

O infarto do miocárdio caracteriza-se por uma obstrução súbita e intensa (geralmente causada por um trombo ou coágulo) de uma artéria do coração (chamada de artéria coronária).

Este fato, com o decorrer de poucas horas, poderá acarretar a morte de uma quantidade significativa das células do músculo cardíaco, chamado de miocárdio.

Sempre que um  paciente apresentar-se com queixa de dor torácica, principalmente se for portador de  fatores de risco cardiovascular (hipertensão, tabagismo, diabetes, anormalidades do colesterol, entre outros),  a hipótese de um infarto do miocárdio   deverá ser considerada. Geralmente , a realização do eletrocardiograma e a dosagem seriada de enzimas cardíacas no sangue podem confirmar o diagnóstico de um  infarto do miocárdio  em poucas horas.

O eletrocardiograma (ECG) é o exame inicial a ser realizada. Embora possa ser normal, o ECG poderá demonstrar achados típicos de um  infarto do miocárdio (supradesnível do segmento ST ou um novo bloqueio do ramo esquerdo), os quais serão  suficientes para que o médico institua imediatamente uma terapia com o objetivo de abrir a artéria que está obstruída pelo trombo, sem esperar o resultado das enzimas cardíacas, que podem demorar poucas horas para se elevarem.

Para isso, realizamos uma angioplastia coronariana ou  infundimos (através de uma veia no braço) uma droga que dissolve coágulos, chamada de trombolítico ou fibrinolítico (processo chamado de trombólise).

Como a maior parte dos hospitais do Brasil não dispõe de um laboratório de hemodinâmica, capaz de realizar uma angioplastia coronariana, a trombólise passa a ser a única opção em muitos locais. Quanto mais rápido instituirmos essa terapia, menor serão as sequelas do infarto do miocárdio.

Tipos de trombolíticos

No Brasil, dispomos de quatro tipos de trombolíticos:

– Estreptoquinase:

Foi o primeiro a ser lançado. Este trombolítico é um pouco menos efetivo que os demais para dissolver o trombo (coágulo), no entanto, causa menos sangramentos. É a medicação de escolha para ser usada em idosos. Poderá causar alergias e hipotensão (queda da pressão arterial). A droga é infundida em 30 a 60 minutos.

– Alteplase (tPA):

É mais efetiva que a estreptoquinase na dissolução do trombo, porém causa mais sangramentos. É administrado em três etapas : um dose  de ataque (infusão imediata) , outra dose em 30 minutos e uma dose menor em mais 60 minutos (totalizando cerca de 90 minutos de tratamento).

–  Reteplase:

É administrada em doses de ataques, separadas por 30 minutos de intervalo.

– Tenecteplase:

Sua grande vantagem, consiste no fato de ser administrada em uma só vez (bolus), cuja dose varia de acordo com o peso de cada paciente. Causa menos sangramento que o tPA, no entanto, parece ter a mesma eficiência na dissolução do trombo.

Benefícios

Quanto mais precoce é a administração do trombolítico, mais benefícios serão observados. Com o tratamento trombolítico instituído na primeira hora do início dos sintomas, cerca de 65 vidas são salvas por mil pacientes tratados. Nos casos em que os pacientes são tratados entre 6 e 12 horas,  apenas 10 vidas são  salvas por mil pacientes tratados.

Ocorre uma redução progressiva de aproximadamente 1,6 morte por hora de atraso por mil pacientes tratados com trombolíticos.

Indicações

Dor sugestiva de infarto do miocárdio com duração de mais de 20 minutos e menos que 12 horas, com a presença de um supradesnível do segmento ST no eletrocardiograma (em pelo menos duas derivações contínuas e que não desaparece após o uso de nitrato sublingual) ou um bloqueio de ramo esquerdo novo no eletrocardiograma. Não deverá haver contra-indicações para a trombólise.

Contra-indicações

– Absolutas (envolvem situações de alto risco para sangramentos ):

Histórico de derrame cerebral hemorrágico ou de causa desconhecida, derrame cerebral isquêmico nos últimos 6 meses, dano ou tumor cerebral,  trauma ou cirurgia ou lesão cerebral nos últimos 3 meses, sangramento digestivo no último mês , suspeita de dissecção da artéria aorta e doença terminal ( exemplo: câncer avançado ).

-Relativas:

Ataque isquêmico transitório nos últimos 6 meses, terapia com anticoagulantes orais , gravidez ou pós-parto (primeira semana) ,punções arteriais não-compressivas, ressuscitação cardíaca traumática (em casos recuperados de parada cardíaca), hipertensão descontrolada (pressão arterial maior que 180/110 mmHg), doença hepática avançada, endocardite infecciosa, úlcera péptica prévia e exposição à estreptoquinase (mais de 5 dias).

Riscos

Os trombolíticos podem causar algumas complicações, como excesso de 3,9 derrames cerebrais por mil pacientes tratados (principalmente no primeiro dia após tratamento). Estão sob maior risco de derrame , os idosos , pessoas com baixo peso, sexo feminino, antecedente de doença cerebrovascular , hipertensão arterial e hipertensão arterial tanto sistólica como diastólica na admissão hospitalar .

Sangramentos maiores não-cerebrais (complicações hemorrágicas que necessitam de transfusão), principalmente os relacionados aos procedimentos, podem ocorrer entre 4% e 13%. Estão sob maior risco para sangramentos os idosos, pessoas com baixo peso e sexo feminino, mesmo em pacientes que não realizaram intervenção percutânea (angioplastia coronariana).

A utilização de estreptoquinase pode estar associada a hipotensão, que deve ser tratada com interrupção de sua administração, com elevação dos membros inferiores e, se necessário, com a reposição de volume (infusão de soro). As reações alérgicas são raras e a administração de rotina de corticoesteroides não é indicada.

Autor: Dr. Tufi Dippe Jr – Cardiologista de Curitiba – CRM/PR 13700.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here