Como aumentar os níveis do HDL-colesterol ou “colesterol bom”?

0
557

A aterosclerose, ou seja , formação de placas de gordura ou ateromas na parede das artérias, e suas manifestações clínicas como a angina do peito, infarto do miocárdio (ataque cardíaco) e o acidente vascular cerebral (derrame cerebral), são as principais causas de morte na população.

As anormalidades do colesterol total e de suas frações são um dos principais fatores de risco para à aterosclerose.

O colesterol total é composto pelos triglicerídeos, LDL-colesterol (colesterol “ruim”) e o HDL-colesterol (colesterol “bom”). Esse último, o HDL-colesterol, é responsável pelo ciclo reverso do colesterol, ou seja, pela retirada das gorduras das artérias, levando-as até o fígado  para que sejam eliminadas.

A elevação de 1mg/dl do HDL-colesterol reduz o risco relativo de um infarto do miocárdio em 2%. Os valores desejáveis do HDL-colesterol devem ser maiores que 40 mg/dl.

Medicamentos

Atualmente temos drogas muitos efetivas para a redução do LDL-colesterol, como as estatinas (são as drogas mais usadas, podem promover reduções da ordem de até 60%), os inibidores da PCSK9 (são drogas injetáveis que proporcionam grandes reduções do LDL-colesterol em pacientes que já usam estatinas ou que são intolerantes as mesmas) e a ezetimiba (droga que diminui a absorção do colesterol pelo intestino). As estatinas acarretam pequenas elevações do HDL-colesterol.

Um estudo recente, chamado REVEAL, demonstrou um aumento médio de 43 mg/dl (107%) nos níveis do HDL-colesterol por meio do uso de um medicamento chamado Anacetrapide. Os pacientes desse estudo já faziam uso de Atorvastatina (estatina), e após um acompanhamento de 4,1 anos o objetivo composto primário do estudo (morte de causa coronariana, infarto do miocárdio ou revascularização coronária) foi reduzido em 9%.

Mudanças do estilo de vida

Para obtermos um aumento dos níveis do colesterol “bom” algumas mudanças no estilo de vida deverão ser adotadas. A redução do peso corporal (5 a 10%  pelo menos) pode aumentar o  HDL-colesterol em 5 a 20%; a cessação do tabagismo em 5% e a redução da ingestão de álcool para níveis moderados (cerca de duas taças de vinho ou duas doses de destilados ou duas latas de cerveja nos homens, sendo a metade dessas quantias para as mulheres) em 5 a 10%.

No entanto, a medida de hábito de vida que mais aumenta o HDL-colesterol é a prática regular de exercícios, proporcionando elevações de até 30%. O HDL-colesterol sofre pouca influência alimentar, no entanto, ele poderá ser reduzido quando há excesso no consumo de gorduras trans, presentes em bolos, bolachas, biscoitos e sorvetes.

Autor: Dr. Tufi Dippe Jr – Cardiologista de Curitiba – CRM/PR 13700.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here