Artigos sendo lidos neste momento !

Blog Post

Estudo AFIRMAR (avaliação dos fatores de risco associados ao infarto do miocárdio no Brasil)
Cardiologia Preventiva, Destaques, Infarto do Miocárdio

Estudo AFIRMAR (avaliação dos fatores de risco associados ao infarto do miocárdio no Brasil) 

O estudo AFIRMAR (estudo de avaliação dos fatores de risco associados com o infarto do miocárdio no Brasil)  foi realizado em 104 hospitais de 51 cidades no Brasil, sendo recrutados cerca de 3.550 indivíduos, entre 1997 e 2000.

Os achados deste estudo foram praticamente idênticos aos encontrados em estudo maior, realizado a nível mundial, chamado de estudo INTERHEART (estudo de avaliação dos fatores de risco para o infarto do miocárdio em cinco continentes).

Esses dois estudos demonstram,  em linhas gerais , que nove são os  fatores de risco modificáveis, relacionados ao aparecimento do infarto do miocárdio, sendo  responsáveis por mais de 90% do risco.

Através  destes  dados, temos as evidências que a predisposição para doença aterosclerótica nos Brasil é muito semelhante àquela observada em países da Europa e da América do Norte.

As principais diferenças dos achados do estudo AFIRMAR  e da população estudada do INTERHEART  na América Latina,  em relação aos o outros continentes,  é que a obesidade central, hipertensão arterial e o estresse, apresentam um maior impacto na gênese do infarto do miocárdio na América Latina.

Abaixo relacionamos os principais achados do estudo AFIRMAR:

-Fatores que aumentaram o risco de infarto do miocárdio:  tabagismo (mais de 5 cigarros/dia) em 4,9 vezes; glicemia de jejum medida maior ou igual a 126mg/dl (confirmando diabete melito) em 2,8 vezes; relação cintura-quadril > 0,94 (indicando obesidade central, acima da cintura) em 2,5 vezes; história familiar de doença coronária prematura em 2,3 vezes; LDL-colesterol > 100 mg/dl (“colesterol ruim” elevado) em 2,1 vezes.

Fatores que diminuíram o risco de infarto do miocárdio: consumo de álcool (até 2 vezes por semana); renda R$ maior que 1.200,00 e escolaridade universitária.

Fonte: Estudo AFIRMAR – Avaliação dos Fatores de Risco Associados com Infarto Agudo do Miocárdio no Brasil – American Heart Journal.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios estão marcos com *