Extrassístoles supraventriculares (atriais e juncionais)

0
14784

As extrassístoles são batimentos cardíacos que surgem pela descarga elétrica de células do coração localizadas fora de seu marcapasso natural (nó sinusal ou sinoatrial).

As extrassístoles poderão ser atriais (originadas nos átrios, que são as câmaras cardíacas superiores e menores do coração), juncionais (originadas na região intermediária do sistema elétrico, chamada de nó atrioventricular) ou ainda,  ventriculares (originadas nas células dos ventrículos, câmaras cardíacas maiores e inferiores do coração) .

As  duas primeiras  formas de extrassístoles (atrial e juncional) são chamadas de supraventriculares, pois são originadas em locais acima dos ventrículos.

Causas

As extrassístoles supraventriculares  são muito comuns na população em geral e, muitas vezes, não indicam a presença de doença estrutural cardíaca. Praticamente todas as doenças cardíacas podem cursar com extrassístoles supraventriculares. Nestes casos, poderá haver uma evolução com o decorrer do tempo para arritmias mais graves, como a taquicardia atrial ou fibrilação atrial, a qual causa um aumento da dimensão dos átrios do coração.

A doença arterial coronariana (formação de placas de gordura ou ateromas na paredes das artérias do coração), em suas formas aguda (angina instável e infarto do miocárdico) ou crônica (angina estável e isquemia silenciosa), são causas comuns de extrassistolia supraventricular.

A hipertensão arterial (cardiopatia hipertensiva); as doenças das válvulas cardíacas (valvulopatias), as doenças do músculo do coração (miocardiopatias), como a miocardiopatia dilatada (exemplo: a doença de Chagas), miocardiopatia hipertrófica ou restritiva (exemplo: amiloidose) e, ainda, as miocardites (inflamação aguda do miocárdio), também podem cursar com episódios de extrassistolia supraventricular.

Situações não-cardíacas, como o estresse, distúrbios do sono (como a síndrome  da apneia obstrutiva do sono), doenças da tireoide (hipertireoidismo) ou doença pulmonar crônica (como a bronquite crônica), podem levar ao surgimento de extrassístoles supraventriculares.

A ação certas substâncias estimulantes (álcool , nicotina do cigarro e a cafeína), medicamentos (como os simpaticomiméticos usados no tratamento da asma brônquica) ou drogas ilícitas (como a cocaína e seus derivados ), também podem causar  extrassístoles supraventriculares.

Sinais e sintomas

As extrassístoles supraventriculares não causam efeitos sobre a função de contração do coração e, geralmente, não produzem sintomas, exceto quando são frequentes. O principal sintoma é a percepção de um batimento forte ou de um batimento irregular, mencionado como uma “falha” (palpitações).

Diagnóstico

As extrassístoles supraventriculares podem ser  diagnosticadas através da ausculta cardíaca, eletrocardiograma ou do Holter (eletrocardiografia dinâmica ou monitorização eletrocardiográfica contínua de 24 horas).

Extrassístoles supraventriculares malignas, que dão origem  a episódios repetitivos de taquicardia atrial ou fibrilação atrial, podem justificar a realização de um estudo eletrofisiológico. Tal exame pode identificar o origem da arritmia cardíaca e, ainda, eliminar o foco desta arritmia através de uma ablação por radiofrequência.

Tratamento

Muitas vezes, diminuindo o nível de estresse, melhorando a qualidade do sono e evitando substâncias ou medicamentos estimulantes, já temos o suficiente para diminuir ou até  suprimir as extrassístoles supraventriculares.

O uso de medicamentos antiarrítmicos está justificado nos casos que cursam com sintomas de palpitações que incomodam ou quando as extrassístoles supraventriculares  associam-se ao aparecimento de outras arritmias supraventriculares mais graves, como a taquicardia atrial, fibrilação atrial e o flutter atrial.

Como mencionado anteriormente, em alguns casos, poderemos realizar um estudo eletrofisiológico, seguido de uma ablação do foco da arritmia cardíaca.

Prognóstico (gravidade)

O cardiologista, baseado no exame clínico e nos exames complementares (laboratório, eletrocardiograma, Holter, ecocardiograma, entre outros, que ele julgue necessário), definirá se a extrassístole supraventricular está ou não associada a outras arritmias cardíacas supraventriculares mais graves.

A gravidade da extrassístole supraventricular está na dependência do seu potencial em desencadear outras arritmias supraventriculares mais graves, as quais podem trazer ter consequência mais sérias para à saúde, como enfraquecimento do coração ou a formação de coágulos nos átrios, como é o caso da fibrilação atrial.

A presença de uma cardiopatia com disfunção ventricular esquerda (diminuição da capacidade de contração, avaliada pela ecocardiograma), também confere pior prognóstico.

Autor: Dr. Tufi Dippe Jr – Cardiologista de Curitiba – CRM/PR 13700. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here