Leite: Qual a melhor opção para garantir a sua saúde?

0
84

O leite de vaca, por ser de mais fácil obtenção e produzido em maior quantidade, é o mais consumido pela população e utilizado pelas indústrias.Este leite é uma fonte importante de energia, proteína, sais minerais e vitaminas para o corpo. É a fonte principal de cálcio e o seu consumo é indispensável para a prevenção natural da osteoporose. De maneira geral, para indivíduos adultos, recomenda-se o consumo de 2 a 3 porções de leite ou derivados por dia, para suprir as necessidades de cálcio.

Existem vários tipos de leites disponíveis nos mercados e a diferença básica entre eles é em sua proporção de gorduras. Existe o leite integral (3,5 a 4% de gordura), o semidesnatado (1 a 2% de gordura) e o desnatado (0,1 a 0,2% de gordura). As gorduras, principalmente as saturadas, devem ser consumidas com bastante restrição por quem busca uma alimentação saudável e equilíbrio da saúde.

O leite integral pode ser do tipo A, que é proveniente de vacas selecionadas, submetidas ao tratamento com alto grau de controle sanitário e cuja obtenção, desde a ordenha até o empacotamento, é feita em circuito fechado. O leite tipo B também procede de vacas submetidas ao controle sanitário e sua obtenção pode ser através de processo manual ou mecânico, porém nunca em circuito fechado como o tipo A. O leite C é o mais produzido no Brasil, com preço mais acessível à maioria da população. A ordenha é feita manualmente e o teor de gordura é padronizado em 3%.A gordura excedente deste leite é utilizada na produção de produtos derivados do leite, como manteigas, cremes, entre outros.

Longa Vida é o leite produzido utilizando qualquer um dos tipos de leite pasteurizados. Principalmente o leite tipo C, pois é o mais comum e que possui o maior volume de produção. É obtido através da ultrapasteurização e de forma asséptica, ou seja, em sistema fechado, sem contato manual e utilizando embalagem Tetra Pack com multicamadas protetoras, para impedir o contato com o oxigênio e raios solares, evitando a multiplicação dos microorganismos vivos do leite. Obtendo-se assim uma vida útil maior, do leite, sem prejudicar as suas características normais como comprovam as pesquisas científicas sobre o assunto.

Este sistema revolucionou o mercado de leite nacional. Existem atualmente as versões de leites enriquecidos com ômega 3. A quantidade de Omega 3 presente no leite é muito pequena quando comparada ao peixe. Portanto, é uma boa opção para as pessoas que não costumam consumir os peixes em sua rotina alimentar. Para quem possui dificuldade em consumir o leite, utilizá-lo em receitas é uma ótima opção para aproveitar dos seus benefícios nutritivos.

Dra. Ana Flávia Pinheiro – Nutricionista – CRN 1004  

Texto revisado por Nícia Padilha. 

www.portaldocoracao.com.br  

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here